User Tools

Site Tools


pt:as-causas-da-crise-de-1929

This is an old revision of the document!


As Causas da Crise de 1929

A crise de 1929, também chamada de “A Grande Depressão”, foi a crise econômica mais importante da história. Milhões de pessoas em sofreram as consequências da crise. A pobreza e o desemprego aumentaram para níveis extraordinários.

Os economistas ainda estudam a crise de 1929. As causas da crise são diversas. Os mais importantes são:

  • Estrutura Econômica Internacional que facilitou uma rápida expansão internacional da crise
  • A Primeira Guerra Mundial e as sanções que foram impostas aos países derrotados
  • Políticas dos Estados Unidos
    • Falta de regulação dos mercados financeiros
    • A resposta do governo à crise foi fraca e tardia
    • La FED não ajudou os bancos o suficiente

Causa 1 da Crise de 1929: Estrutura Econômica Internacional

Antes da guerra mundial, Londres era o centro financeiro mundial. Os bancos de Londres financiaram a expansão econômica dos países periféricos. Eles concederam empréstimos a empresas e governos.

Após a Primeira Guerra Mundial, Nova York tornou-se o centro financeiro. Os bancos dos Estados Unidos concederam empréstimos a países como a Alemanha.

Nas principais potências mundiais, o padrão ouro ou suas variantes ainda eram válidos. No padrão-ouro na quantidade de dinheiro que tem uma relação direta com as reservas de ouro do banco central de cada país. O banco central compra e vende ouro a um preço fixo.

Este sistema implica que os países têm uma taxa de câmbio fixa e não podem desvalorizar suas moedas.

Atualmente, diante de uma crise desta magnitude em termos de desemprego, muitos bancos centrais aumentariam a quantidade de dinheiro para estimular a economia. Isso não foi possível com o padrão ouro.

Como veremos a seguir, quando os países têm sistemas monetários de taxa de câmbio fixa, variações na taxa de juros de um país trazem fluxos de capital para aquele país e contrações monetárias nos países de onde saem os fluxos de capital. Antes da crise, os Estados Unidos elevaram a taxa de juros, o que fez com que a oferta monetária de outros países contratasse e afetasse suas economias.

A política monetária dos Estados Unidos é realizada pelo Federal Reserve (FED). Muitos economistas culpam o Federal Reserve pela longa duração da Crise de 1929.

Causa 2 da Crise de 1929: Sanções contra a Alemanha

A Alemanha foi a principal derrotada na Primeira Guerra Mundial. Os principais vencedores foram os Estados Unidos, Inglaterra e França. Em 1929, esses quatro poderes se encontraram, juntamente com a Itália e o Japão, em Versalhes, França. Lá foi assinado um acordo que impunha pesadas sanções às potências derrotadas, principalmente na Alemanha.

New York World [domínio público]

A Alemanha foi devastada pela guerra e as sanções pioraram a situação. Keynes, enviado pela Inglaterra, reclamou que as sanções teriam conseqüências negativas não apenas para a Alemanha, mas também para o resto da Europa. A história provou que ele estava certo, as sanções impostas foram uma das causas da crise de 1929 e também da Segunda Guerra Mundial.

A Alemanha teve que pagar US $ 33 bilhões para as potências vitoriosas. Hitler culpou os poderes vitoriosos pelos infortúnios da Alemanha. Na década de 1930, quando os partidos nacionalistas começaram a se instalar na Alemanha e na Itália, as preocupações com a Segunda Guerra Mundial exacerbaram a crise de 1929.

Além disso, as empresas na Alemanha estavam endividadas com os Estados Unidos, o que as tornava vulneráveis ​​às políticas monetárias daquele país. Quando nos Estados Unidos foi decidido aumentar a taxa de juros, muitas empresas alemãs não puderam pagar seus compromissos com os bancos de Nova York, enfraquecendo o sistema monetário dos Estados Unidos.

Causa 3 da crise de 1929: crescimento econômico nos Estados Unidos e falta de regulamentação dos mercados financeiros

Desde 1926, os Estados Unidos estavam em um período de forte crescimento econômico. A indústria estava se expandindo rapidamente. Fábricas de automóveis e outros bens duráveis, como refrigeradores, estavam a todo vapor. O desemprego estava muito baixo. Houve um clima de prosperidade.

As famílias se sentiram confiantes e começaram a aceitar empréstimos. Esses empréstimos não foram usados ​​apenas para comprar bens duráveis, mas também foram usados ​​para investir no mercado de ações. Os preços das ações, que vinham subindo, subiram ainda mais devido à especulação e falta de regulamentação.

Foi permitido realizar estratégias para inflar os preços artificialmente e depois vender as ações para obter um benefício de curto prazo.

O FED começou a ver essa situação com preocupação e, em 1927, aplicou uma política mais restritiva. A taxa de juros subiu e, como Nova York era o centro financeiro global, isso teve um tremendo impacto no resto do mundo. Em 1927, o mercado de ações na Alemanha entrou em colapso, em 1928 o mercado britânico entrou em colapso e em 1929 o da França entrou em colapso. Levando em conta que essas eram as principais potências econômicas mundiais, a situação financeira global era grave e o clima de preocupação estava se deslocando para os Estados Unidos.

Causa 4 da Crise de 1929: Estados Unidos

A crise de 1929 irrompe em Wall Street

A enorme especulação financeira inflacionou os preços das ações. A expansão econômica superdimensionou certas indústrias e bancos. A preocupação foi primeiramente refletida no mercado de ações. Houve alguns declínios acentuados nos índices e o público começou a observar de perto a evolução dos preços das ações.

Alguns disseram que nada estava acontecendo, que você tinha que aproveitar para comprar. Outros disseram que a bolsa estava prestes a entrar em colapso.

Na quinta-feira, 24 de outubro de 1929, o mercado de ações caiu 11%. Esta data é conhecida como quinta feira negra. Embora, depois da quinta feira negra, houve alguns aumentos, o mercado de ações continuou a ter perdas significativas nos meses e anos seguintes. Em 1931, já havia perdido 89% de seu valor.

A economia real: o presidente Herbert Hoover não faz quase nada

A queda de Wall Street terminou rapidamente com o clima de prosperidade. Famílias pararam de pedir emprestado e compraram tantos bens duráveis. As fábricas foram atingidas e começaram a aumentar o desemprego.

O presidente da época era Herbert Hoover. Sua resposta à crise foi fraca e inadequada. Em vez de ter um plano sistemático para sair da crise e apoiar as famílias que estavam caindo na pobreza, ele pediu aos industriais que não demitissem pessoas e pediu aos governos federais que não reduzissem os custos.

Mas a situação econômica piorou e os industriais começaram a demitir pessoas e muitos governos federais entraram em default.

Sistema Financeiro: O FED também está errado

A visão de muitos economistas era de que a tendência natural da economia era libertar-se sem a intervenção de bancos ineficientes. Eles pensaram que depois da crise, os melhores bancos sobreviveriam e a economia seria fortalecida. Eles estavam errados e esses erros fizeram com que muitas pessoas caíssem na pobreza extrema.

Quando os primeiros bancos começaram a cair, o FED não fez nada para ajudá-los a lidar com a crise. O público começou a retirar seus depósitos dos bancos, de modo que quase todos os bancos foram afetados. O sistema bancário na época consistia de uma rede de bancos menores e independentes, de modo que, quando um banco tinha problemas de liquidez, era mais difícil do que agora obter liquidez.

Discussion

Enter your comment. Wiki syntax is allowed:
K H J C G
 
pt/as-causas-da-crise-de-1929.1552855917.txt.gz · Last modified: 2019/03/17 16:51 by federico